Compartilhar

Este artigo foi publicado no dia primeiro de Janeiro, também conhecido como o primeiro dia do ano. Hoje, como de costume nos países que utilizam o calendário gregoriano como o Brasil, comemoramos mais uma volta inteira da Terra ao redor do Sol, essa estrela tão bonita e atraente (sol, gravidade, atraente… sacou?).

portret01
Milutin Milankovitch

Acontece que o movimento do nosso planeta rochoso não é nada certinho, é todo cheio de pequenas irregularidades: inclina um pouco aqui, curva um pouco ali, aumenta o caminho por acolá e por aí vai. É devido a essas variações que o clima muda tanto na Terra com o passar do tempo. Aí que o astrônomo de nome engraçado Milutin Milankovitch entra: esse cara estudou o movimento da Terra e descobriu que eles variavam ciclicamente e isso alterava o clima por aqui. São os chamados Ciclos Milankovitch.

estaçoes16035c4792aee28e775664f0879923c6.jpgVamos começar com a Inclinação da Terra. É em função da inclinação atual da terra que temos as estações do ano. Por causa disso, uma parte do ano o hemisfério norte recebe mais luz do sol (verão/summer) enquanto o outro hemisfério recebe menos (inverno/winter). slide_12Em outra parte do ano, isso se inverte. No verão os dias são mais looooongos enquanto no inverno eles são mais curtos. Esse processo é bem fácil de entender com essa figurinha. Acontece que essa inclinação do nosso planeta, que é atualmente 23,5°, varia. Essa inclinação vai de 22,1° até 24,5° num ciclo de 41.000 anos. Quanto maior é essa inclinação mais extremos são as estações (verões mais quentes e invernos mais frios).

 

image.imageformat.lightbox.42707707.pngA próxima variação parece com essa, mas não é: a Precessão. Calma, o nome é diferente mas a ideia é fácil. Olhe o desenho. Aquela barra no meio da Terra, obviamente não existe concretamente, mas é nesse eixo que ela gira. Agora perceba que a Terra parece um pião. Sabe quando o pião está parando e ele começa a cambalear até parar?Axial_precession É exatamente esse movimento que a Terra faz, só que ela não para. O eixo de rotação (a barra que a gente acabou de falar) gira em forma de círculo, na figura, são os trecejados acima e abaixo da Terra. Círculo esse que demora 22.000 anos para ser completado. A 11.000 mais ou menos as estações do ano eram invertidas porque o tal eixo era apontado para o lado inverso ao atual.

 

excentricidadeE a última variação que vamos falar agora é a … tchã tchã tchã tchã … Formato da Órbita da Terra em volta do Sol. A órbita do nosso planeta não é um círculo perfeito, é uma elipse, ou seja, é um “círculo alongado” e esse “alongamento” em relação a um círculo é chamado de excentricidade. Isso significa que a órbita é hipster? Não. Um círculo tem excentricidade 0, nossa órbita varia entre 0.000055 (quase um círculo) e 0.0679 (mais alongada) e esse ciclo em que ocorre essa variação dura incríveis 100.000 anos. No auge da excentricidade, a distância mínima da Terra ao Sol (chamada de periélio) é muito maior que a atual, diminuindo as temperaturas por aqui.

 

tumblr_m7mtv8HjJJ1ryt3yso1_500Ok, mas e dai? O que adianta medir essas variações? Podia ser só curiosidade mesmo, conhecimento nunca é demais, mas Milankovitch descobriu que mudanças climáticas em nosso planeta são, muitas vezes, consequências dessas variações. As glaciações (eras do gelo), quando grande parte do planeta fica congelado, acontecem quando os três Ciclos Milankovitch estão em seus momentos mais frios. Um só estando em seu momento mais frio não é suficiente para que ela aconteça, mas os três juntos sim. Esse raciocínio leva em consideração que a incidência de radiação solar determina o clima aqui na Terra: mais luz do Sol chegando, mais quente, menos luz, mais frio. Hoje sabemos que isso influencia bastante, mas não determina as glaciações, por exemplo. Outros fatores ocasionaram as eras do gelo em conjunto com a maior ou menor incidência de radiação solar.

Agora você sabe que nosso planetinha faz muito mais que ficar dando volta no Sol. E isso foi possível porque o SciBreak é demais nosso colega cientista sérvio inovou nesses estudos muito tempo atrás. Temos que admitir que para um cara que fez contas à mão no início do século XX, Milankovitch era tão esperto que pode ser considerado um ponto fora da curva.

Fontes: Indiana University, Planet Seed, UFRGS

Deixe uma resposta