Compartilhar
Papai Noel ( ͡° ͜ʖ ͡°)
Você foi ( ͡° ͜ʖ ͡°) esse ano?

O Natal está chegando! É tempo de enfeitar árvores, propagandas de inverno da Coca-Cola em pleno verão e claro… Levar seus filhos para visitar um velho barbudo no shopping! Tudo isso para comemorar o aniversário do menino Jesus! Não, espera… O que?! Você nunca parou para pensar o quão desconexas são todas as tradições natalinas com o sentido proposto do feriado cristão? Afinal, o que Papai Noel tem a ver com Jesus?

Muito pouco. Na verdade, as origens da festividade são muito mais antigas que o cristianismo. Mas como isso é possível? Afinal, em inglês, Natal é “Christmas”, que basicamente significa “festival de Cristo” em antigas palavras inglesas. Então como pode o “festival de Cristo” ter vindo antes de Cristo? Acontece que algumas práticas natalinas remontam à milhares de anos, muito antes da existência do cristianismo. Diversas tradições pagãs foram se deformando e se misturando com outras ao longo do tempo até chegarem ao Natal que conhecemos hoje. O termo um tanto genérico “pagão” geralmente era utilizado para se referir à uma pessoa não-cristã, que ainda reverenciava os antigos deuses romanos. “Paganismo” por sua vez vem do latim “paganus”, que designa uma pessoa que mora no interior/campo. Visto isso, fazia sentido que eles fossem chamados de pagãos pois o cristianismo foi algo que se popularizou mais no meio urbano. Os primeiros missionários cristãos obviamente queriam converter os povos pagãos ao cristianismo, mas ao mesmo tempo eram fascinados por suas tradições. Por isso, em vez de dissolver as culturas pagãs, acabaram se misturando a elas.

saturnalia
O “Natal” original era bem diferente de hoje…

Não há absolutamente nenhum relato na Bíblia indicando que Jesus nasceu em 25 de Dezembro. Essa data foi escolhida arbitrariamente simplesmente porque coincidia com uma grande festividade pagã dedicada ao nascimento do deus sol, que comemorava o solstício de inverno. Solstício de inverno é um fenômeno astronômico usado para marcar o início do inverno. No solstício de inverno ocorre o dia mais curto do ano e consequentemente a noite mais longa do ano. Faz sentido que aqueles povos comemorassem essa data, afinal, do solstício para frente só haveria mais e mais incidência de luz até o verão. Ou então porque o Verão é horrível mesmo. Porém, apesar de termos chegado à origem das festividades, a pergunta continua… O que Papai Noel tem a ver com a história? O escritor britânico J. R. R. Tolkien pode nos ajudar a responder essa pergunta…

Gandalf as Santa
Mesmas origens… Quase.

Gandalf, um dos magos mais famosos da ficção e um dos protagonistas das obras de Tolkien, teve Odin como sua principal inspiração. Odin foi um personagem de Anthony Hopkins o líder dos deuses na mitologia nórdica. Numa das histórias, Odin resolveu caminhar entre os mortais, assumindo o disfarce de um velho viajante de longa barba, chapéu de aba larga e um longo bastão. Já Papai Noel teve São Nicolau como sua principal inspiração, um bispo nascido no século III conhecido por sua extrema generosidade e por ajudar os mais necessitados. Provavelmente é daí que surgiu o costume de dar presentes as crianças no Natal. Porém… O que o bispo tem a ver com Natal? Através dos séculos, a história de São Nicolau se misturou (novamente) a tradições pagãs. Ele era conhecido como “Sinterklaas” (Origem do nome “Santa Claus”, que significa “Papai Noel” em inglês.) e é associado a Yule, uma antiga festa pagã que acontecia justamente por volta do solstício de inverno. Nessa data, Sinterklaas voaria através dos céus em seu cavalo branco de oito patas comemorando a vitória sobre o mal. Com o tempo, o cavalo de oito patas se transformou em oito renas voadoras. Na mitologia nórdica, Odin era comumente descrito como sentado em seu cavalo voador de oito patas. Odin também era conhecido por entrar nas casas através de chaminés e recompensar aqueles que eram leais ao bem. Isso te lembra alguma coisa? As referências que culminaram com a criação do Papai Noel moderno simplesmente parecem não ter fim!

Capitão América sendo consolado.
“Relaxa, Rogers… Você vai pegar todas as referências…”

Como tudo nessa longa e complexa história, a roupa vermelha do Papai Noel possui diversas origens e menções. Porém, a principal delas provavelmente aconteceu por volta dos anos 20, menos de 100 anos atrás… Um anúncio da Coca-Cola, retratando o bom velhinho usando trajes vermelhos, grandes botas e um enorme sorriso viria a imortalizar a imagem moderna do Papai Noel.
Como pode ver, o Natal que conhecemos hoje possui tantas origens diferentes que simplesmente não podem ser 100% mapeadas, muito menos caber em um só artigo. Apenas de uma coisa temos certeza… Essa deve ser a festa de aniversário mais enrolada do mundo!

Propaganda da Coca-Cola do Papai Noel

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Salve, Ewerton!

    Pelo visto, seu sítio entrou no clima natalino, não é mesmo?

    Sabe o que essa história toda me faz recordar? Minha época sombria de colégio. Eu me lembro que existia um acordo segundo o qual o sujeito não poderia sofrer qualquer tipo de agressão no dia de seu aniversário.

    Eu acho que nos comportamos de maneira semelhante com relação ao Natal. Podemos sacanear uns aos outros durante o ano inteiro, mas procuramos estabelecer uma pequena trégua numa determinada data e fingir que acreditamos em Jesus.

    Acho que a Coca-Cola é um pouco mais honesta, pois ela faz propaganda o ano inteiro. Caso você não consiga ser cristão o ano inteiro, você pode beber Coca todos os dias. É mais fácil.

    Abraço,
    Luiz.

    • Fala, Luiz!

      Estamos em clima de Natal sim! Hahaha Excelente analogia com a história do aniversário! Acho que a história vai por aí mesmo. Agora eu vou me vingar… Já viu o filme “The Purge”? Hahaha Não é bom não… Mas a história é por aí. A sociedade tira um dia ao ano para cometer os crimes que quiserem e “liberar seus demônios”. Um abraço!

      Ewerton

Deixe uma resposta