Compartilhar

Final de ano é tempo de alegria, confraternização e … piada do “pa-vê ou pa-comê”. Mesmo que não tenha um pavê na mesa, alguém sempre faz essa piadinha que é sem graça. Afinal, o que é ser engraçado?

Pessoas normalmente discordam sobre o que é e o que não é engraçado e isso só dificulta entender o que tem graça e o que faz rir. Então já vou dizendo que não existe uma explicação que seja aceita por todos, mas há um conjunto de teorias que buscam entender isso.

Platão: "Aristóteles, é pavê ou pacomê?"
Aristóteles: “Platão, isso é pavê ou pacomê?”

Platão e Aristóteles, muito tempo atrás na Grécia, criaram a Teoria da Superioridade, iniciando os trabalhos notórios nesse campo. Quando alguém escorrega em uma banana e cai no chão, outra pessoa pode se sentir superior por não ter sido tão desatenta e isso, então, seria o motivo da risada. Platão diz que a ignorância dos fracos é considerada ridícula. Aristóteles complementa definindo o ‘ridículo’ como “o erro ou uma porção de feiura que não causa nenhuma dor de destruição” e dizendo que piadas são um tipo de abuso que pode ser contado de forma a não produzir dor.

Sigmund FreudFreud dá seu pitaco criando a Teoria do Alívio. Nela, uma pessoa acumula uma porção de energia que seria usada para outros fins (como resolução de problemas intelectuais, repressão de impulsos sexuais, energia emocional etc) e, em seguida, libera essa energia em forma de risada. Nesse raciocínio de Freud, as pessoas mais inibidas e reprimidas, que retém mais essas energias, gostariam muito mais de fazer brincadeiras e nós sabemos que não é esse o caso.

giphy

kant e schopenhauer v2A teoria mais difundida por aí é a Teoria da Incongruência. Kant diz que a risada é o estado de espírito (affection) da transformação de uma expectativa muito forte em nada. Em outras palavras é a quebra da expectativa. Você ouve “Ahá, Uhú, ô fulando eu vou comer seu …” e espera que o amigo inconveniente vá rimar mas ele grita “…BOLOO” (e dá uma risadinha depois). O fim é diferente do esperado e isso dá a graça. Ainda sobre essa teoria, Arthur Schopenhauer (vamos chamar só de Arthur, né?) dizia que “quanto maior e mais inesperada é a incongruência, mais violenta é a risada”, mas há limites para isso.

Algo inesperado pode ser trágico e triste. Se alguém está andando na rua e, sem nenhum motivo aparente, saca uma arma e mata pessoas, ninguém ri (esse foi o único momento Hurl_11.18triste do texto, eu juro). Por isso o pessoal do HuRL (Humor Research Lab – Laboratório de Pesquisas sobre Humor) criou a Teoria da Transgressão Benigna. Ela integra teorias mais antigas e define que o humor acontece quando 3 situações acontecem ao mesmo tempo:

  1. A situação é uma transgressão (violation): ameaçador, que ameaça a convicção de alguém, ou seja, vai contra a visão de mundo dessa pessoa. Em suma, algo errado.
  2. A situação é benigna: precisa ser seguro e aceitável.
  3. Ambas características acontecem ao mesmo tempo.

Uma piada ruim ou uma situação qualquer, portanto, não é engraçada quando ela vai contra pelo menos uma dessas 3 condições. Voltamos então para a pergunta do título: Por que o “pavê ou pacomê” não é engraçado (segundo a Teoria da Transgressão Benigna)?

É uma piada que acontece todo ano, até mais de uma vez ao ano, então quando pessoas veem um pavê, a maioria delas já lembra da piadinha, mas não falam porque não vale a pena. Quando alguém fala “A pergunta que não quer calar (pausa) é pavê (pausa) ou é pacomê? HAHaHAHAhahaHAHAHhahAHuahUAH” as pessoas não acham que aquilo seja uma transgressão, pois já era esperado que acontecesse. Daí, ninguém ri.

Quando alguém faz a piada do "Pavê ou pacomê?"
Quando alguém faz a piada do “Pavê ou pacomê?”

cracking-myself-upHoje em dia, muitas pessoas até reclamam quando alguém faz a famosa piadinha do pavê. Com certeza já aconteceram brigas sérias por causa dela. Quem sabe um dia possam acontecer combates entre países ou até guerras mundiais em função disso. Eu, porém, fico despreocupado. Afinal, no fim, vamos rir disso tudo.

5 COMENTÁRIOS

    • Oi, Bruno!
      Pois é, isso cai na mesma situação do pavê! Tem a da paçoca “É paçocar no…” ou a do peru “ahh o peru ta gostoso?”. Hahahaha Um brinde a um ano novo com piadas diferentes! hahahaha
      Um abraço!

Deixe uma resposta